WipEout 2048 – Análise

16 de Fevereiro de 2012
51
WipEout 2048 – Análise

Versão testada: PlayStation Vita

A série WipEout é quase incontornável nas plataformas da Sony, aparecendo aqui e ali, revelando sempre uma enorme solidez no produto final. A PlayStation Vita é a nova entrada da série, agora com o subtítulo de 2048, que é nada mais que o ano em que se inicia o grande campeonato destes pads voadores.

WipEout 2048 é um jogo que não tenta quebrar com o seu passado e trazer novidades em termos de jogabilidade só porque sim. Apesar de uma nova plataforma viver muito daquilo que pode fazer pelos jogos, o Studio Liverpool da SCEE, soube respeitar o formato já conhecido, não forçando o jogador a adotar uma postura de servidão à nova máquina. Mas também não deixa de piscar o olho às funcionalidades da consola, nomeadamente o Cross-Play com a PlayStation 3 (podemos jogar pistas do Wipeout HD Fury), sendo um dos primeiros títulos a oferecer esta opção.

Temos diversos modos à cabeça para podermos competir. Se o modo campanha ou carreira leva-nos para três anos de competição, já os modos multijogador são mais baseados em objetivos. Podemos correr em modo Ad-Hoc e multijogador online contra amigos, isto se os tivermos. Senão, iremos saltar para salas de confronto direto em formato aleatório. Neste último caso, entramos nas salas, temos determinados objetivos a cumprir e se conseguirmos cumprir nas três tentativas possíveis, saltamos para o próximo objetivo. É no fundo um modo carreira mais virado para a comunidade. Não esquecer que por qualquer evento, objetivo (online ou offline) que participemos podemos aceder às listas dos melhores do mundo nessa modalidade, ou então podemos ver só os amigos.

Em termos de gameplay, temos três configurações diferentes para escolher. O tradicional WipEout permite usar o analógico esquerdo para dirigirmos a nave, usar os gatilhos como travões (esquerdo e direito), e acelerar com o X. Pessoalmente gosto mais do chamado Piloto, onde aceleramos com o gatilho direito, travamos com o esquerdo e disparamos com o X, usando o quadrado para abrir os travões para as curvas e o circulo para poder absorver a energia da arma ou proteção que apanharmos. Foi também introduzido a opção do modo inaugurado em WipEout HD da PS3, onde podíamos conduzir as naves usando o sensor de movimentos do SixAxis. Agora na PS Vita podemos usar o painel traseiro para acelerar e o ecrã frontal do lado direto para disparar e esquerdo para absorver a energia das armas. São diversas formas que certamente agradarão a todos e é de louvar que não sejamos obrigados a ficar apenas com uma configuração. Já estão a ver qual.

WipEout é um jogo futurista e respira tecnologia por todos os poros. Correr numa PlayStation Vita é um regalo, principalmente pela eficiência e efeito de velocidade. A primeira sensação ao pegar nesta nova versão é de ficarmos de boca aberta, pois o espetáculo visual, a música (já lá vou), as armas, as proteções e as zonas psicadélicas dão um tom único e verdadeiramente diferenciador. Aqui o asfalto e a inércia dão asas à liberdade de voarmos bem perto do chão. As novas máquinas são poderosas e bem detalhadas, mas penso que estão numa linha mais simplista, num design mais requintado que outros jogos da série. É belo podermos ver o efeito de calor nos reatores, e o fumo a sair dos escapes, tudo muito bem recriado. Mas este visual com tanto aparato numa cidade de Nova Iorque adulterada tem o seu lado mau.

Apesar de ser fácil, dentro do seu género, de conduzir, muito raramente conseguimos fazer uma volta livre de um arranhão (existe um objetivo para esse fim). Ou porque estamos na frente e somos bombardeados, ou porque estamos atrás e simplesmente não conseguimos ver nada à frente. Os circuitos são em geral bem desenhados, mas demasiado curtos em termos de ligação de curva para curva. O aglomerado de naves é tal, que misturado com explosões, armas a brilhar no chão e efeitos visuais extra, torna a experiência muitas vezes caótica.

Estes efeitos provocam muitas vezes quebras na velocidade da atualização do frames, mas não posso deixar de admirar o trabalho feito pelos Studios Liverpool pela fantástica entrega a este respeito. Existem eventos ou objetivos onde podemos entrar no chamado Zona, em que temos que conduzir o mais tempo possível sem que a nossa nave fique completamente inutilizada. Percorremos desde a Classe C à Classe A+, atingindo a pontuação proposta inicialmente. Se conseguirmos ir mais além do exigido, podemos ser considerados Elite, ganhando mais pontos XP (também no modo carreira), que serão usados para subirmos de nível e desbloquear mais naves e eventos escondidos. Aqui o ambiente muda de algo “real” para um estilo psicadélico, com cores berrantes e básicas. No início a experiência parece interessante, mas quando chegam mais e mais objetivos iguais, tudo fica chato e monótono.

Este é um dos maiores problemas de WipEout 2048. Depois de cumprirmos com os primeiros eventos e objetivos, pouco ou nada muda para a frente. Chegar em X lugar, obter X pontos em corridas onde apenas conta a batalha e cumprir a volta mais rápida, e pouco mais. Pelo caminho vamos desbloqueando mais naves, isto dentro da equipa que escolhemos no início. Novamente não podemos alterar ou colocar novas peças, acessórios, pinturas, etc, nas nossas naves. Seria de esperar que um novo jogo fosse mais além e finalmente trouxesse este lado de mostrarmos a nossa veia artística e porque não termos uma nave totalmente diferente dos outros?

Os tempos de loading de cada evento são enormes, mas foi-nos referido pela Sony que a versão de teste não corresponde ao resultado final a este respeito, sendo que será bastante diferente. Mas desde que entremos num evento, reiniciar é bastante mais rápido.

Em termos sonoros, o jogo volta a brilhar. E não só na banda sonora. O uso de auscultadores é quase obrigatório para poderem retirar todo o partido do trabalho aqui entregue. O som de uma explosão sobre nós provoca um zumbido extremamente real, bem como quando usamos um escudo.

WipEout sem uma boa banda sonora não seria um jogo da série. As malhas são dentro do género eletrónica, muitas delas remisturadas de propósito para o jogo. Podemos contar com artistas tais como, deadmau5, The Future Sound of London, os fantásticos Kraftwerk, The Chemical Brothers, ou até mesmo os The Prodigy, com o mais recente Invaders Must Die.

Ainda a nível sonoro, o jogo está todo em português, desde texto às vozes. Aqui temos o prazer de ouvir o bom português com voz futurista alterada, e apesar de estarmos familiarizados com o inglês, é sempre um prazer poder ouvir no meio de tamanha confusão, “Minas”, “Foguetão”, “Escudo”. As descrições de todas as naves estão também em português falado, bem como escrito.

WipEout 2048 é uma excelente entrada da série na nova portátil da Sony. Pouco fica a dever à versão HD na PlayStation 3 em termos visuais. O ecrã da Vita faz brilhar todo o poder gráfico e de efeitos que as máquinas debitam a cada impulso. Peca por ser muito simples em termos do que fornece a nível de conteúdos, como eventos, objetivos. Por outro lado é compensado pela sua componente multijogador.

 

Classificação:

3.5/5

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Comentários

Relacionado

Autor

Filipe Almeida

Criador e fundador do Portal Xbox Portugal juntamente com a "PXP Team". O Portal Xbox Portugal foi criado com o objectivo de recolher informações e notícias sobre o mundo da Xbox e juntar tudo num local para que tem interesse por esta plataforma, ter tudo filtrado num único sítio.