UFC Undisputed 3 – Análise

27 de Fevereiro de 2012
33
UFC Undisputed 3 – Análise

Melhor, mas não o suficiente para um Knockout.

 

Versão testada: PlayStation 3

O primeiro UFC lançado em 2009, foi uma surpressa incrível e uma aquisição obrigatória para qualquer fã das Mixed Martial Arts. UFC Undisputed 2010 continuou o seu legado tornando a experiência mais sólida e robusta. O que esperar de UFC Undisputed 3? Nada menos que o melhor jogo de Mixed Martial Arts produzido até agora e é precisamente esta premissa que a THQ tem utilizado para promovê-lo.

Para assegurar a qualidade e novidades relevantes, a série UFC falhou o ano de 2011 aumentado o tempo de produção. O resultado são novidades como mais de 150 lutadores espalhados por cinco divisões de peso, o modo Pride e um motor de jogo e jogabilidade melhorado.

Este é de facto o melhor título da série feito até agora. A Yuke’s finalmente deu-se ao trabalho de adicionar todos os pormenores que os fãs têm vindo a pedir tornando o jogo idêntico a este espetáculo das Mixed Martial Arts. Todos os lutadores têm uma entrada para o ringue octogonal acompanhada pela respetiva música e as novas divisões de peso Bantamweight e Featherweight acrescentam lutadores que não estavam presentes.

Isto são apenas pormenores de pequena importância. As maiores novidades estão dentro do ringue octogonal enquanto jogamos. A jogabilidade foi aprimorada ao máximo para ser possível recriar qualquer dos movimentos e técnicas das Mixed Martial Arts. Coisas simples como esquivar dos socos do oponente enquanto estamos no tapete desprotegidos foram acrescentadas, bem como um novo sistema de submissão e novas formas de vencer por TKO como pernas partidas (finalmente aqueles pontapés nas pernas servem para alguma coisa).

Nas redes e cantos do octógono o combate está refinado, estejam de pé ou sentados, e é possível utilizar estas partes do ringue para nossa vantagem para como para preparar uma manobra de submissão ou desgastar o adversário com socos, joelhadas ou pontapés. Se estiverem à defesa, necessitam de dominar bem o sistema de clinch para impedirem o adversário de chegar a uma posição vantajosa e tirar partido dela. Se isto parece demasiado complicado para vocês, felizmente existe um modo tutorial.

UFC Undisputed 3 é um jogo amigável para jogadores que se queiram iniciar na série. A jogabilidade é de uma complexidade enorme, mas o extenso modo tutorial ensinar-vos-á tudo aquilo que necessitam de saber, desde as técnicas mais básicas até às mais complexas. As transições de posições no combate no chão podem ser simplificadas, se acharem que os quartos de círculo que têm que executar no analógico são demasiado difíceis.

Se procuram uma experiência desafiante e realista, estejam descansados. Apesar de UFC Undisputed 3 estar mais amigável para novos jogadores, continuam a ser capaz de vos dar um enxerto de porrada se optarem pelas dificuldades mais elevadas, em que apenas um erro pode custar-vos o combate.

O novo sistema de submissão torna muito mais fácil perceber quando um lutador está prestes a desistir e menos intimidante de usar. Nos UFC anteriores uma submissão era ganhar ao rodar rapidamente os analógicos, mas era difícil perceber em que ponto estávamos. Antes era raro usar o sistema de submissão assim como alcançar uma vitória desta forma, mas em UFC Undisputed 3 tive todo o gosto em usar a submissão para ganhar combates, dado a sua acessibilidade.

A utilização da captura de movimentos beneficiou substancialmente. A movimentação, socos e pontapés dos lutadores têm um aspecto mais natural e menos robótico, uma falha que ainda afetava Undisputed 2010. A jogabilidade está mais rápida aproximando o jogo da velocidade incrível que os combates na vida real conseguem alcançar. No entanto, se definirem a stamina para realista, quando cansado o lutador pode ficar demasiado lento, quase não conseguindo andar e dando socos em câmera lenta.

Tudo está diferente, mas ao mesmo tempo tudo está igual. Isto é, se estão familiarizados com os anteriores UFC, não terão qualquer dificuldade em adaptar-se. Notarão contudo, que a jogabilidade está consideravelmente melhor, e tendo em mente que UFC Undisputed 2010 estava já bem apurado neste aspecto, é difícil pensar que poderá ficar muito melhor do que isto num próximo jogo, pelo menos nesta geração de consolas.

Para oferecer a experiência mais completa possível das Mixed Martial Arts, a Yuke’s foi além do UFC e aproveitou a licença que a Zuffa detém sobre o Pride para adicionar a competição de luta que já foi a maior do mundo mas que acabou por ser fundida com o UFC. O Pride é um modo aparte, contando com os seus próprios lutadores, que apesar de partilhar alguns com o UFC, têm estatísticas diferentes para condizer exatamente com a altura em que competiram no Pride.

O ringue é quadrangular em vez de octogonal e são permitidos pontepés e joelhadas na cabeça do adversário enquanto este está desprotegido no chão. E o primeiro round tem uma duração de 5 minutos em vez de 3 minutos como no UFC, exigindo uma melhor gestão de stamina. Tirando isto, os combates Pride são praticamente iguais aos do UFC, mas ter um modo dedicado é um delírio para qualquer fã Mixed Martial Arts e faz todo o sentido.

Quando saímos do ringue octogonal e começamos a explorar os modos de jogo, UFC continua num bom caminho, pelo menos no modo carreira, que está mais simples e melhorado. Esqueçam ter que se preocupar com a fadiga do vosso lutador antes do combate, da intensidade do treino e de algumas estatísticas diminuírem. Em UFC Undisputed 3 tudo isso ficou de fora. Os treinos são agora mini-jogos e a estatísicas do lutador aumentarão conforme o vosso desempenho. Tanto as estatísticas gerais como força, velocidade e cardio como estatísticas mais especificas como Standing Strike; Standing Kick; Clinch Strike; Ground Striking, e por aí em diante, aumentam conforme o mini-jogo que escolherem.

O que não se compreende, é porque razão o lutador apenas aumenta as suas estatísticas durante os treinos. Seria de esperar que ganhasse experiência com os combates que vai realizando, mas por alguma razão que desconheço, tal não acontece, limitando a evolução do lutador e diminuído ligeiramente a importância dos combates no modo carreira.

O modo carreira é também acompanhado de vídeos motivacionais em que os lutadores mais famosos de UFC falam como subiram na carreira e como lidar com uma derrota, e ainda noticias que falam do combate em que o vosso lutador participou na noite anterior. Adicionalmente há ainda os prémios para melhor combate do ano, melhor lutador do ano, KO do ano e submissão do ano, e ver o lutador que criamos a receber qualquer um deles, é motivo de orgulho.

O modo Ultimate Fights recria os combates mais populares tanto do Pride do UFC ao pedir ao jogador para executar determinadas ações no combate que condizem com aquilo que aconteceu realmente no combate real. Não têm que realizar as ações pedidas de uma só vez, podem repetir o combate as vezes que quiserem e realizar as ações uma a uma, até porque a IA nem sempre faz aquilo que queremos e impossibilita que uma determinada ação seja realizada.

O único problema deste modo é que apenas estão disponíveis cinco combates, o resto terão que desbloquear ao comprarem o respetivo DLC, apesar de aparecerem listados no próprio modo. E não estamos a falar de um DLC, mas de vários.

Estes são os modos principais que vão encontrar em UFC Undisputed 3, mas existem outros como um modo que permite criarem o vosso próprio evento UFC ou Pride e um modo torneio que os lutadores terão que combater várias vezes na mesma noite para vencerem.

A Yuke’s tinha prometido especificamente um online melhor paraUFC Undisputed 3, no entanto, é uma promessa não comprida. Os combates online continuam com uma latência elevada e constante e para piorar, problemas de conexão. Encontrar um oponente é mais fácil, contudo, é um processo demorado e cheio de loadings. Imaginem terem que esperar vários minutos só para começar a combater para depois uns segundos após este ter início vos aparecer uma mensagem de falha de conexão. Esta é a experiência online que UFC Undisputed 3, que é terrível e muito abaixo dos padrões aceitáveis.

O motor gráfico foi alvo de melhorias e os lutadores estão assustadoramente realistas. Acompanhados pela já mencionada captura de movimentos e novas animações, UFC Undisputed 3 é um dos melhores jogos que podem encontrar dentro do seu género. A atmosfera em redor do ringue octogonal também está melhor com os cantos dos fãs a aumentarem de volume à medida que o combate aquece.

UFC Undisputed 3 poderia ser facilmente o derradeiro jogo das Mixed Martial Arts, mas o online continua a deixar e a desejar e o modo Ultimate Fights, que apesar de excelente, oferece poucos combates incluídos no disco. Não obstante, o veredicto é que temos em mãos um jogo melhor que UFC Undisputed 2010. Uma jogabilidade de sonho, os combates Pride e o modo carreira são os motivos principais para adquirirem UFC Undisputed 3 caso tenham a edição anterior e estejam com dúvidas, que para qualquer fã, são motivos suficientes para abrir cordões à carteira.

 

Classificação

4/5

 

Fonte: Eurogamer

Share on Facebook0Share on Google+0Tweet about this on TwitterEmail this to someonePrint this page

Comentários

Relacionado

Autor

Filipe Almeida

Criador e fundador do Portal Xbox Portugal juntamente com a "PXP Team". O Portal Xbox Portugal foi criado com o objectivo de recolher informações e notícias sobre o mundo da Xbox e juntar tudo num local para que tem interesse por esta plataforma, ter tudo filtrado num único sítio.